domingo, 29 de março de 2009

...


Enterro-me mais uma vez frente a esse quadro de luz ofuscante e contemplo a catarse em tons de branco borrados com traços negros.
Pelo visto calo-me aqui. Meus dedos já se emudeceram, minhas frases soltas parecem não mais se juntarem em uma dança de tormentos e desamores.
Acho que foram todos embora, todos os Salingers, todos os Machados de Assis, todos os Orwells, todos os Gattais, todos os meus não eu’s genéricos que respondiam por mim.
Sobrou apenas um monte de palavras sem forma, ficou apenas grunhidos balbuciados por um bêbado qualquer largado num ponto de ônibus, restou apenas à vã tentativa de dialogo de um casal de surdos-mudos em crise, permaneceu apenas a cena que se projetava frente aos meus olhos há algumas horas atrás.
Não ficou, não restou e nem permaneceu nada que justificasse sua presença por aqui caro leitor.
O que ainda insiste em sobreviver debaixo dos escombros deste telhado de palavras carregadas de silêncio é a minha presunção de ainda acreditar que posso brincar de escritor e de que vocês se divertem ao ler minhas brincadeiras.

Eis aqui meus caríssimos leitores (contemplando o auge da minha presunção) um espécime não muito raro: Um escritor sem nada pra falar. Ressalvo minhas reticências...

6 comentários:

Nayara .NY disse...

Que tuas palavras informes
não encontrem mais forma que
podem encontrar agora...
Nunca vi o nada ser tão maciço
de entendimento...
A escrita se liberta por si só,
as palavras se juntam por vontade
própria, e não depende do nada
que queremos chegar ao final...
Mesmo que este seja claro...

Bjos

Fabricio Franklin disse...

Não me vejo tão à vontade em fazer comentário algum diante de tamanho aglomerado de letras, e o que há de ser dito se todas palavras me fogem a cabeça diante tamanha leitura.
Talvez ela faça, (e veja bem, eu disse talvez) acreditar que em alguma fração de minuto perdida em algum relógio de parede, eu possa me sentir um Salinger, um Orwell ou um Gattai, ao menos, porém, sou um Dotling assim como você; sumptuoso autor.

"((( )))"

Lorena Faccion disse...

Nossa....

Eu achei muito om seu texto...
Realmente às vezes nos perdemos nas vãs palavras, mas também nos encontramos exatamente nelas.

Haunted disse...

Quando um escritor não tem o que dizer, ele simplesmente escreve...

Amanda Goulart: Jornalismo em tempo real disse...

Afinal nada mesmo tem sentido...
Adorei seu blog. Parabéns!

Lêda Maria disse...

Profundo isso.
Adorei o espaço!
boa semana