quinta-feira, 7 de junho de 2012

Casa ao chão

Derrubaram a nossa casa amor
Aquela em que colocamos os nossos sonhos
e revestimos as paredes de desejo
e plantamos uma árvore...

Mas destruíram o nosso jardim
Aquele em que brotavam os nossos prazeres
e enraizavam as nossas vidas
a da árvore que iríamos gangorrar

E sentir o vento em nosso corpo
E voar para traz ao encontro dos seus braços
E sentir o vento partindo-se ao meio
E senti-lo em nossas costas tentando nos fazer parar

Mas destruíram, derrubaram, e o "nosso" foi soterrado pelas grossas paredes em que escrevemos nossas juras
E eu não pude te mostrar
Que viramos meros escombros
Que viramos meros alicerces
de um prédio sem jardim
com paredes sem desejos

E com vidas muito mais reais!

4 comentários:

Rafael Lancaster disse...

Cada vez melhor isso aqui viu!

Bruna disse...

Cada vez melhor²

Maíra Souza disse...

Parece que foi escrito pra mim. Sério.. Muito foda!

Abraço.

Excelsiur disse...

Fala Harieno, tudo bom meu amigo....
espero que sim, hoje senti a necessidade de ler um de seus ótimos textículos!!! Obrigado Brother.