terça-feira, 23 de abril de 2013

Circular



Devo ter perdido a caneta em algum lugar, em alguma daquelas gavetas escondidas, emperradas, do velho móvel, da casa velha. A velha mobília que não vê mais cera, que não guarda mais o que é útil e virou cofre dos restos de vida que deixei pra trás.

Certamente ta lá a caneta, e o projeto de poeta esquartejado nos potes. Funesto ficou o eu, ludibriando em passos bêbados, ganhando linhas e linhas, parágrafos, a fim de rememorar a frase que eu falei pra ti e te fez chorar, ou a frase com que sequei teus olhos.
Então toca uma música e sinto, enquanto houver canções haverão amores, e enquanto houver amores haverão canções, e nesse efeito cíclico, circular, eu envolvo o texto e percebo que enquanto o mundo girar haverá poesia.
Com rimas, sem rimas, com bordas parar decorar, sobre amor, sobre a vida, sobre a própria poesia. Escreveremos os pássaros, escreveremos as cores, coloriremos com a, com o b, com o c, o mundo pintado em alfabeto.
O sonho colorido de um pintor, que me encantava, o mestre Tom...
Que o mundo acabe, que caiam palavras do céu, e todos se encharquem, se molhem, se banhem, se afoguem  nesse dilúvio, nesse mar literário, onde navegam os navios, que eu rabisquei, alguém afundou e boiaram os tripulantes.

Porque ainda há música, e eu quero Amar,
Ainda há amor, e eu quero o Beijo.
Ainda há poesia e eu vou Cantar, todas as letras que restaram, desta poesia molhada com as palavras que caíram do céu.

2 comentários:

Nayhara Godinho disse...

Sem comentários, você é meu Machado de Assis! Amo lê seus textos!

Nayhara Godinho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.