terça-feira, 13 de outubro de 2009

Moto-locótomo



Passe por mim e deixe-me alto, até eu conseguir tocar na lua.
Quem sabe assim, eu desista da idéia de pular do próximo precipício?!

Em outras palavras... Segure-me!
Com estes dizeres, me deixe cair de cara no chão!

Toque os tambores pra mim e deixe-me cantar a Valsa da Despedida.
Quem sabe, desta forma, eu não volte pro meu vasto oceano de plástico?!

Em outros dizeres...
Poucas palavras!
Quem sabe um dia eu não invente outras palavras, e reinvente uma canção pra ti?

3 comentários:

Nayara .NY disse...

Opostos, de controvérsias, de diz que me disse, de sim e não, de tudo e nada, de sempre o fim!
Caindo e levantando e não parar!

bjuu

Arte Literária e Cultura disse...

Boa arpeggi!!! concerteza existem os altos e os baixos, e teremos de qualquer forma trancedê-los a nossa maneira de percepção.

Maíra Souza disse...

Fodah!