sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

''


Talvez eu escreva pra você hoje, pra relembrar a nossa mocidade. Trazer a nostalgia para o nosso pretérito imperfeito, e quem sabe reescrever o jornal de ontem.
Queria poder reconstruir o seu rosto com as minhas palavras, e com os a’s ilustrar a luz que via reluzir do seu sorriso. Com os e’s pensei em fazer com que seus olhos se voltem pra mim e quem sabe até me notem às vezes. Com os i’s eu os faria deitar, pra que você sonhe o que não envelheça. Com os o’s eu reforçaria sua buxexas, pra que você sempre pareça estar contente.
Com os u’s eu faria seu caminho de volta, e você me abandonaria, meu pretérito continuaria imperfeito e não haveria mais a’s pra iluminar.
Talvez eu só escreva pra mim, só pra mim.

2 comentários:

Nayara .NY disse...

Que a partir de amanhã vc já não se lembre mais dos pretéritos imperfeitos!

Ótimo texto!
Parabéns pelo blog!
Bjos

Arte Literária e Cultura disse...

Interessante. Objetivos, sentimentos que nunca surgiram de fato. Gosto de ler estes textos do depósito, são muito criativos e nos faz pensar diferente, e a cada linha, nós nos inspiramos para mais um recomeço.